Indicadores de desempenho logístico: confira 8 tipos!

TOP 8 indicadores de desempenho logístico que você precisa conhecer

7 minutos para ler

Os indicadores de desempenho logístico, também conhecidos como KPIs (Key Performance Indicators), são métricas utilizadas para mensurar periodicamente o desempenho dos processos de um negócio — identificando áreas que demandam melhorias.

São ferramentas valiosas para companhias de logística, já que operam em questões importantes, como prazos de entrega, manutenção do estoque e aspectos gerais relacionados às demandas.

A seguir, você conhecerá mais sobre alguns deles. Confira!

1. Acuracidade de inventário

Também conhecido como acuracidade do estoque, esse indicador se relaciona à organização geral do inventário da organização. Assim, quanto maior for o percentual desse KPI, maior é a coerência entre as informações obtidas sobre o estoque físico da companhia e os dados contábeis contidos no sistema.

Para elaborar corretamente esse indicador, é preciso avaliar a disponibilidade geral no estoque. A partir daí, é possível identificar falhas e deficiências nos processos, como extravios, avarias e obsolescências em geral.

Acompanhar esses dados é essencial para que o gestor possa organizar devidamente o estoque, tomando as ações necessárias para sanar problemas. Além disso, essas informações podem ser utilizadas para diversos fins, como a disponibilidade desejada pelo setor de vendas e análise das saídas, auxiliando as aquisições do setor de compras.

Como impactam diretamente em decisões fundamentais para a empresa, os gestores devem buscar sempre um percentual elevado de acuracidade.

2. Nível médio de estoque

O nível médio, outro indicador relacionado ao estoque, possibilita o acompanhamento de quantidades médias disponíveis de cada item, com o objetivo de evitar excessos e faltas de produtos requisitados para venda.

Para chegar a um número adequado, é necessário observar atentamente a demanda, além de analisar o prazo médio de prestação de serviço dos fornecedores, o índice de produtividade dos colaboradores e a disponibilidade dos produtos.

O monitoramento constante dessa informação é essencial, até para que a composição geral do estoque esteja de acordo com as demandas do negócio. É importante notar que manter quantidades excedentes eleva os custos operacionais, além dos riscos associados a avarias diversas.

Nesse sentido, acompanhar o estoque para garantir sempre um nível balanceado de presença de vários produtos garante que não haja escassez ou perdas em suas vendas.

3. Nível de serviço de entregas

O nível de serviço de entregas é um valioso indicador que auxilia na identificação do percentual de entregas realizadas dentro do prazo determinado (levando em conta o total de envios realizados dentro do mesmo período).

Caso o número obtido seja um valor muito reduzido e aquém do ideal, é provável que existam problemas com a gestão direta do transporte, uma questão que pode envolver o planejamento de rotas e a um mau serviço fornecido pelos transportadores terceirizados.

Desse modo, a contratação de um bom serviço de rastreamento das cargas transportadas é uma ótima medida para manter a agilidade das entregas.

4. Lead time do pedido

Esse indicador está relacionado ao acompanhamento do tempo necessário para que a demanda de um determinado cliente seja concluída — desde o momento da solicitação do produto até a sua entrega. Por conta dessa abrangência, o KPI também engloba etapas internas e não somente os prazos de transporte.

Assim, o lead time do pedido ajuda a identificar falhas internas que ocasionam deficiências nos procedimentos de transporte. O problema pode estar, por exemplo, na separação do pedido, que adia a entrega e gera insatisfação na relação com os transportadores e, principalmente, com o cliente.

Um dashboard gerencial gera informações instantâneas para auxiliar o processo de tomada de decisões, além de operar diretamente na redução de custos e aumento da produtividade.

5. Índice de ocorrências

Na área de logística, uma ocorrência é um acontecimento que não foi planejado. Alguns exemplos de ocorrência são o extravio de mercadoria e avarias de produtos. Ao realizar um bom planejamento, considerando as ocorrências que já foram documentadas e todas as soluções utilizadas na sua resolução, será mais fácil minimizar esse índice.

O fato é que as ocorrências causam impacto direto nos lucros e na produtividade da organização. É bem simples: quanto mais ocorrências acontecerem, mais tempo e dinheiro será utilizado para corrigi-las, logo, é preciso reduzir esse índice continuamente.

Com esse indicador de desempenho, é possível ter controle do tempo e dos custos com esses gargalos e então fazer um planejamento para evitar que eles ocorram.

6. Status de serviço de entregas

Ele serve para monitorar o tempo necessário, para que um pedido seja preparado até chegar ao destino final. Ele é medido do momento em que o pedido é enviado até o momento em que é entregue para o cliente, começando a contar a partir do instante em que o veículo saiu para fazer o transporte.

Depois de identificar o tempo médio de entrega de seu depósito para qualquer lugar, o objetivo seria diminuí-lo quando possível — oferecendo serviços de entrega especial. É possível também verificar se a mercadoria chegou às mãos do cliente em perfeitas condições.

Esse indicador permite descobrir os principais gargalos com as entregas, procurando meios de evitar atrasos e mercadorias não entregues.

Sendo assim, se for possível precisar os horários de entrega para o cliente é ainda melhor. Dessa forma, seu cliente saberá quando deve estar em casa para receber a mercadoria, aumentando sua taxa de precisão na coleta de pedidos e evitando devoluções.

7. Custos logísticos da empresa

Este indicador rastreia todos os custos, desde a produção até a entrega ao cliente. Os custos médios de transporte calculam um total das despesas envolvidas, como impostos, custos de transporte, nível de desperdício de materiais, taxas aduaneiras, custos do estoque e inventário, processamento de pedidos, entre outros.

Em termos gerais, os custos com logística geralmente é fragmentado em diversos elementos, a fim de facilitar a análise de cada um. Ele são divididos em:

  • custos por produto;
  • custos internos (ocorrem dentro da operação da organização).
  • custos externos (acontecem fora da empresa);
  • custos reais de transporte.

8. Tempo de atraso na entrega

O tempo de atraso na entrega é de extrema importância na mensuração da eficiência da área logística da empresa e como ela afeta o relacionamento com seus clientes. O maior objetivo deste KPI é mensurar o tempo de atraso da empresa na entrega de pedidos.

Caso o resultado desse indicador seja negativo com um tempo elevado de atraso na entrega, a empresa deverá levar em consideração criar um novo planejamento estratégico de suas operações de logísticas.

Esse indicador mostra para os gestores a necessidade de maximizar a eficiência dos processos de logística, tanto na automação de processos do estoque quanto na contratação de novas equipes. Dessa forma, é possível trabalhar a fidelização de clientes, visto que com índices de atrasos reduzidos, eles se sentem mais seguros em comprar na sua empresa.

Como foi possível perceber no post, todos esses indicadores são ferramentas poderosas para gerenciar o desempenho logístico geral do seu negócio. Felizmente, a tecnologia aliada às avaliações geradas pelos indicadores de desempenho logístico, pode ajudar a agregar valor para a empresa ao modernizar os processos.

É possível, por exemplo, contar com um sistema que monitora a entrada e saída de veículos da frota, garantindo um nível maior de controle ao gestor.

Aproveite a visita e leia também sobre como a produção de relatórios gerenciais pode beneficiar a sua empresa!

Posts relacionados

Deixe um comentário